O impacto do espaço no processo de trabalho e na criatividade

O espaço onde trabalhamos exerce uma grande influência no processo e resultado do trabalho. Ele atua diretamente sobre nós! Como preparar o espaço de trabalho para colaboração criativa?


Conscientemente ou não, nós internalizamos e replicamos o que o espaço de trabalho “nos diz” sobre a forma de trabalhar. A disposição de cadeiras, mesas - ou a falta delas!-, as paredes, amplitude da sala, zoneamento das equipes, separações ou integrações de áreas, as cores, texturas, luminosidade, enfim...tudo e todo aspecto emite uma mensagem, um código, que no conjunto nos dá pistas de como é o jeito de ser e fazer daquele lugar.


Produtividade, performance e volume

 

A maioria dos espaços de trabalho foi desenvolvida a partir da lógica industrial - seriada, mecanizada, padronizada - em que um estrutura fixa servia para dar uma base única de trabalho, para se alcançar determinados resultados.


Basta olhar para as salas de aula, com suas carteiras enfileiradas e focadas no quadro negro, para que os alunos possam absorver o maior volume possível de informação, tendo o professor como grande centralidade, mas colocado nesse espaço de uma forma distante e pouco acessível aos alunos, a partir da conformação de cadeiras, quadro e mesa do professor, quase que uma autoridade no sentido mais duro da palavra - e lembre-se, não pode conversar, trocar com o amigo ao lado!


Vemos essa lógica e configuração também nas salas de reuniões de grandes empresas, sobretudo nas de culturas mais tradicionais, em que o chefe, o grande líder, se senta na ponta da mesa, lugar de destaque e poder, de onde domina a condução da reunião, contando geralmente com pouca participação e contribuição dos outros participantes. Essa mesma, esse espaço emite um código comportamental bastante forte.




Na minha experiência como professora e facilitadora de processos de criação e inovação, consigo perceber o quanto o espaço impacta o comportamento e forma como as pessoas interagem e criam. O espaço pode provocar, instigar formas de se relacionar, pode inspirar e estimular pessoas a criarem, tudo depende do quão aberto, flexível e adaptável ele for.


Estruturas estanques ou padronizadas, seriadas, dificilmente convidam os participantes a interagirem entre si e muito menos com o próprio espaço. Tudo o que é padronizado, não inspira.


Reconfigurar as relações com o espaço físico pode ser um sinal poderoso de que os participantes, seja de uma reunião, workshop ou sprint, verdadeiramente são bem-vindos naquele espaço e que existe de fato a liberdade de se expressarem e criarem. Não existe um formato único de construção de espaços de colaboração, um único que dê conta de desencadear esse potencial criativo. As pessoas que ali trabalham devem ser estimuladas a transformarem e adaptarem, movendo coisas, objetos ou móveis de lugar, para melhor funcionar a partir da natureza de trabalho que ali é realizado. Essa interação com o espaço deve ser pensada e feita em conjunto com quem ali vai interagir e trabalhar.


Aberto, adaptável e inspirador

 

No ano de 2015 tive a oportunidade de visitar a Ideo e a D. School no Vale do Silício em San Francisco e posso dizer que vi na prática esse conceito de Make Space for Change (“Abrir espaço para transformação”) e de como o espaço onde as pessoas trabalham em equipe ou individualmente pode assumir um papel importante no processo de criação e estratégia.


Modularidade, paredes móveis, mood boards e painéis de inspiração, mobiliário adaptável, mesões de trabalho integrado, mesas individuais, espaços para reflexão, descanso e inspiração… tudo disponibilizado para que as pessoas pudessem “respirar” o projeto e vivenciá-lo na prática, além de manter à disposição materiais e ferramentas de trabalho, que estimulam e fortalecem diferentes habilidades, seja as mais manuais até às mais intelectuais e analíticas.


Se você olhar com atenção para sua mesa de trabalho, com certeza ela dirá muito sobre sua forma de trabalhar, podendo atuar como um instrumento de estímulo criativo.


Espaço como ferramenta de facilitação de co-criação

 

No meu trabalho como facilitadora de processos de co-criação considero o espaço onde o workshop vai acontecer um elemento que tem um protagonismo maior do que se costuma pensar. Seja no espaço físico ou no online - esse último objeto de conversa de outro post!- planejar a maneira como se dará o fluxo de trabalho, as interações entre as pessoas durante as dinâmicas, as ferramentas a serem utilizadas - post its, papel, cards, jogos etc - e os estímulos que serão oferecidos é algo determinante para se conseguir atingir os objetivos desejados com esse encontro da equipe.


Se dispusermos as cadeiras e mesas enfileiradas, como numa sala de aula, por exemplo, criamos uma sensação de que aquele fórum terá um interlocutor central; se configurarmos a sala com as cadeiras em formato “U”, criamos o senso de que existe uma intenção de promover conversas em que todos tem vez e voz; o formato da mesa, também diz muito sobre as intenções. Uma mesa redonda cria uma atmosfera de que todos ali sentados são iguais e que a conversa é mais fluida, sem quinas ou arestas. A conversa flui redonda ;). Uma mesa tradicional de reuniões, retangular, em que temos cabeceiras, já emite uma outra mensagem.


Salas com pé direito alto também criam uma sensação de “abertura e fluidez”; a luminosidade também exerce forte poder nas pessoas, energizando- as ou tranquilizando-as; Flip charts ou qualquer outro tipo de painel em que as pessoas possam fazer anotações, desenhar...também estimulam que as pessoas mudem de postura durante o período de trabalho, saindo do ficar sentado o tempo todo, para se movimentar, ficar de pé - o que também ajuda na oxigenação das ideias.


Considere na escolha do lugar onde realizará seu workshop espaços que ofereçam uma atmosfera mais descontraída, com pufes ou sofás confortáveis, decoração inspiradora, que fogem do padrão tradicional corporativo. Essa mudança de ares fará toda a diferença não só nos resultados, mas sobretudo na qualidade do processo de trabalho.


 

Uma bela referência para você se aprofundar no entendimento de como o espaço pode ser desenhado para potencializar a criação e a

inovação é o livro Make Space: How to set the stage for creative collaboration. Baseado no estudos feitos na D. School na Universidade de Stanford sobre como o espaço influencia pessoas em processos de inovação e como essa influência pode ser construída intencionalmente. Vale muito a pena ;)